sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Oração de um Pai

Trazemos no dia hoje, um texto do General Douglas MacArthur, "Oração de um Pai":

Senhor, dá-me um filho que seja
bastante forte para saber quando é fraco
e corajoso o bastante para
enfrentar a si mesmo quando tiver medo;
um filho que seja orgulhoso e
inflexível na derrota inevitável,
mas humilde e manso na vitória.
Dá-me um filho cujo esterno não esteja
onde deveria estar a espinha dorsal;
Um filho que te conheça e que
saiba conhecer-se a si mesmo,
que é a pedra angular do saber.
Guia-o, eu te suplico,
não pelo caminho fácil do conforto,
mas sob a pressão e o aguilhão
das dificuldades e dos obstáculos;
que aprenda a manter-se ereto nas tempestades.
Dá-me um filho de coração puro e objetivos elevados;
um filho que saiba dominar-se
antes de procurar dominar os outros,
um filho que aprenda a rir,
mas que não desaprenda de chorar;
um filho que tenha os olhos para o futuro,
mas que nunca esqueça do passado.
E depois que lhe tiveres concedido todas estas coisas,
dá-lhe, eu te rogo, compreensão bastante
para que seja sempre um homem sério,
sem, contudo, se levar muito a sério.
Dá-lhe humildade, Senhor,
para que possa ter sempre em mente
a simplicidade da verdadeira grandeza,
a tolerância da verdadeira sabedoria,
a mansidão d verdadeira força.
Então, eu, seu pai, ousarei murmurar:
“NÃO VIVI EM VÃO!”

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Iniciação e Cerimônia Pública do Priorado General Bento Gonçalves

Na tarde deste sábado nosso capítulo realizou mais uma cerimônia de iniciação, onde foram iniciados os irmãos Alessandro Sá e Krystopher Krammer. O capítulo deseja as boas-vindas aos novos irmãos e que cada um possa aprender e aproveitar sua trajetória DeMolay.
O Capítulo com os novos iniciados
Na Cerimônia Pública, os Irmãos Eduardo Daniel, Thiago Andrade e Gabriel Borges do Priorado General Bento Gonçalves apresentaram a Cerimônia das Espadas.
Irmãos do Priorado realizando a Cerimônia das Espadas.

Após a Cerimônia Pública, foi servido um delicioso jantar feito pelo nosso atuante Clube de Mães
Convidados do Capítulo

Decoração feita pelo Clube de Mães
O Capítulo Rio Grande agradece a presença de todos os amigos e convidados durante a cerimônia e o jantar.

#DeMolayNãoPara
 

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

O importante é lutar

Dando seguimento ao projeto de trazer alguns dos textos lidos nas reuniões, hoje temos o texto ''O importante é lutar'', de Aldo Colombo.

Muitas têm excelentes metas, mas não conseguem concretizá-las porque lhes falta persistência. Só aquele que não desanima no caminho chegará onde quer. Nem que para isso tenha que recomeçar mil vezes. O próprio gênio é uma gota de sabedoria e um oceano de persistência.
É possível que já conheça a história de um sujeito que não era muito inteligente, mas que tinha uma vontade enorme de vencer na vida. ele nasceu na pobreza e passou sua juventude como lenhador. Só a muito custo aprendeu a ler e escrever. Na Universidade - afinal ele chegou lá - rodou muitas vezes. Uma vez formado, dedicou-se ao ramo comercial e foi à falência. Isto no ano de 1831. No ano seguinte tentou a política e foi derrotado; voltou a fracassar nos negócios em 1834 e sofreu um colapso nervoso em 1841. Em 1842 não conseguiu ser candidato porque seu partido não permitiu, mas em 1855 candidatou-se e, para variar, perdeu. No ano de 1860 conseguiu vencer uma eleição... e tornou-se o Presidente dos Estados Unidos. E a história ainda hoje venera o nome de Abraham Lincoln. De seus fracassos ninguém mais lembra, lembramos apenas uma enorme força de vontade que superou todas as dificuldades que se apresentaram.
E a história dos grandes homens está cheia de fracassos. Mas eles souberam superar suas limitações. Todo aquele que faz alguma coisa está sujeito ao fracasso. Mas aquele que não faz, com medo do fracasso, torna-se um fracasso total, um fracasso ambulante.
As dificuldades não são apenas de ordem profissional e econômica. Santo Agostinho, convertido ao Cristianismo, teve de enfrentar inúmeros problemas. Muitas vezes pensou em desistir. Mas diante das dificuldades e do desânimo, ele contemplava aqueles que haviam triunfado de suas fraquezas e argumentava: "Se eles conseguiram, por que não conseguirei eu?" E acabou por conseguir.
É importante selecionar as metas: escolher uma ou duas coisas e persegui-las com entusiasmo. Seja o que for e acabaremos conseguindo. a história está cheia de provas disto. E não só a história, mas a vida diária. Os vitoriosos não são necessariamente os mais inteligentes, os mais talentosos, mas os que sabem querer, aqueles que não desanimam, aqueles que recomeçam mil vezes.
E mesmo que a vitória final não seja conseguida, nem por isso a luta foi inútil. Um dia, Deus quererá saber, não se vencemos, mas se lutamos. Nosso compromisso é com a luta.

Aldo Colombo

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

A elegância do comportamento

Seguindo com nosso projeto de trazer alguns dos textos lidos em reunião para o nosso blog, segue o Texto desta semana:

A ELEGÂNCIA DO COMPORTAMENTO


As pessoas geralmente se preocupam com a aparência física e se esmeram para mostrar certa elegância, de acordo com suas possibilidades. 

Isso é natural do ser humano. Tanto que muitos buscam escolas que ensinam boas maneiras. 

No entanto, existe uma coisa difícil de ser ensinada e que, talvez por isso, esteja cada vez mais rara: a elegância do comportamento. 

É um dom que vai muito além do uso correto dos talheres e que abrange bem mais do que dizer um simples obrigado diante de uma gentileza. 

É a elegância que nos acompanha da primeira hora da manhã até a hora de dormir e que se manifesta nas situações mais corriqueiras, quando não há festa alguma nem fotógrafos por perto: é uma elegância desobrigada. 

É possível detectá-la nas pessoas que elogiam mais do que criticam. 

Nas pessoas que escutam mais do que falam. E quando falam, passam longe da fofoca, das maldades ampliadas de boca em boca. 

É possível detectá-la também nas pessoas que não usam um tom superior de voz. Nas pessoas que evitam assuntos constrangedores porque não sentem prazer em humilhar os outros. 

É uma elegância que se pode observar em pessoas pontuais, que respeitam o tempo dos outros e seu próprio tempo. 

Elegante é quem demonstra interesse por assuntos que desconhece. É quem cumpre o que promete e, ao receber uma ligação, não recomenda à secretária que pergunte antes quem está falando e só depois manda dizer se está ou não. 

É elegante não ficar espaçoso demais. Não mudar seu estilo apenas para se adaptar ao de outro. 

É muito elegante não falar de dinheiro em bate-papos informais. 

É elegante retribuir carinho e solidariedade. 

Sobrenome, cargo e jóias não substituem a elegância do gesto. Não há livro de etiqueta que ensine alguém a ter uma visão generosa do mundo e a viver nele sem arrogância. 

Pode-se tentar capturar esta delicadeza natural através da observação, mas tentar imitá-la é improdutivo. 

A pessoa de comportamento elegante fala no mesmo tom de voz com todos os indivíduos, indistintamente. 

Ter comportamento elegante é ser gentil sem afetação. 

É ser amigo sem conivência negativa. 

Ser sincero sem agressividade. 

É ser humilde sem relaxamento. 

Ser cordial sem fingimento. 

É ser simples com sobriedade. 

É ter capacidade de perdoar sem fazer alarde. 

É superar dificuldades com fé e coragem. 

É saber desarmar a violência com mansuetude e alcançar a vitória sem se vangloriar. 

Enfim, elegância de comportamento não é algo que se tem, é algo que se é. 

* * * 

Mais do que decorar regras de etiqueta e elaborar gestos ensaiados, é preciso desenvolver a verdadeira elegância de comportamento.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Visita dos irmãos de Santana do Livramento e Cerimônia Farroupilha!

O Capítulo Rio Grande recebeu no sábado(19/09) a visita dos irmãos do Capítulo Santana do Livramento nº433 que participaram de nossa reunião e das atividades do dia, logo à noite o Capítulo realizou a sua tradicional Cerimônia Farroupilha que contou com a grande apresentação de voz e violão do nosso Tio e Irmão Bruno Torres.


Após a Cerimônia foi servido um delicioso jantar feito pelo nosso clube de mães.
Nosso Clube de Mães

Decoração feita pelo Clube de Mães


Salão de Banquetes pronto para receber nosso jantar

Sobremesas feitas pelas tias do Clube


domingo, 6 de setembro de 2015

Por que o nome DeMolay?

O homem que deu nome a Ordem DeMolay nasceu em Vitrey, região do Haute Saone, Sul da França, em 1244. Ao completar 21 anos, entrou para a Ordem monástico-militar dos Pobres Soldados de Cristo e do Templo de Salomão, organização que recebeu a sanção papal em 1128 com o intuito de fazer a proteção dos caminhos da Terra Santa.

Esta Ordem de Cavalaria de monges que também pegavam em armas para defender as porções cristãs do Oriente tornou-se famosa não somente pela sua bravura e agudez estratégica, mas também porque recebeu várias doações de terras e outras riquezas para manter seus trabalhos.

Estas doações e outras negociações tornaram os Templários extremamente ricos e poderosos. Como banqueiros de reis e grandes senhores de terras, exerceram grande influência nos governos da época, sendo os pioneiros no uso de algo muito parecido com nossos cheques e cartões de crédito. Um peregrino poderia entregar seus valores numa Casa Templária para viajar mais despreocupado e quando chegasse ao seu destino poderia retirar a mesma quantia. Acreditava-se até que eles seriam capazes de criar um estado independente somente para a Ordem.

Em 1298, Jacques de Molay subiu ao posto de Grande Mestre (alguns defendem o termo Grão-Mestre) da Ordem do Templo. A situação era um tanto complicada, pois com a perda da Terra Santa, a Ordem tinha perdido sua razão de ser e concentrava um grande contingente de homens e de imensas riquezas, porém não podiam ser aplicadas porque ainda que consideráveis não poderiam bancar uma nova cruzada. A Ordem esperava o apoio do povo, do clero e dos reis europeus.

Tal apoio não veio. Ao invés disto, a Ordem que se concentrava em Chipre, assistiu a cobiça do Rei Francês Felipe IV, o Belo e sua tentativa de fundir os Templários com os Hospitalários (esta Ordem também ligada ao socorro de feridos) para controlar ambas e livrar a França de dívidas, além de tornar-se o monarca mais poderoso da Europa. Nesta época, ele já tinha sob sua influência o Cardeal Bertrand de Got, que assumiu o nome de Clemente V, mantendo-o em Avingnon, França.

Em 13 de outubro, uma sexta-feira, ordens até então secretas foram executadas por Guillame deNogaret, Primeiro Ministro Francês. Elas determinavam a prisão de Jacques DeMolay e todos os Templários que fossem encontrados sob a acusação de heresia e traição. Os Cavaleiros não resistiram e foram levados, inclusive o Grande Mestre, para os calabouços onde os que aguentaram, foram torturados por sete anos vivendo à mingua.

Após ser tão torturado, Molay já tinha sido obrigado a confessar falsos crimes e atitudes inimagináveis para a ética e disciplina Templária, porém jamais entregou a localização dos demais ou o paradeiro das riquezas da Ordem. Contudo, no julgamento final, ao ouvir as acusações e prestes a se definir a sentença, negou as acusações voltou atrás nas confissões denunciando perseguições e torturas sofridas por ele mesmo e por seus irmãos de Ordem.

Tal procedimento era punido com a fogueira, o que Jacques de Molay teve que enfrentar juntamente com o Preceptor da Normandia, Geofroy de Charney, numa ilha em frente a Catedral de Notre Dame de Paris chamada Isle du Vert Galant, no dia 18 de março de 1314, diante da multidão perplexa.

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Rio Grande cumprindo com o seu papel!

No final de semana dos dias 21/08 e 22/08, o Capítulo Rio Grande não descansou! Na sexta-feira, os membros do Capítulo Rio Grande realizaram junto da Escola José Alvares de Azevedo mais uma partida de goalball! Para prestigiar nossa atividade, contamos com a presença do irmão Mestre Conselheiro Estadual, Pedro Hablich, onde pode fazer parte de uma das filantropias que destacam o nosso Capítulo!
DeMolays com os alunos e professores da Escola!

Nossos irmãos participando da atividade, levando um banho de bola!
Equipe da Escola José Alvares de Azevedo dando show!






































Porém, o Capítulo não cessou por aí. No dia 22/08, o Capítulo se fez presente, com a maior comitiva, na instalação do mais recente capítulo da Região Sul, o Capítulo Guardiões dos Tapes nº 894! Um sábado de grande aprendizagem, onde junto dos outros Capítulos da Região Sul, pudemos confraternizar, e disseminar os preceitos de nossa Ordem!


O Capítulo Rio Grande nº 354, deseja aos nossos mais recentes irmãos da cidade de Canguçu, ótimas atividades, bons frutos de seus trabalhos, e que realizem a função de cada jovem DeMolay, ser útil a sociedade!


"Região Sul, a Região mais unida do Rio Grande do Sul!"


domingo, 16 de agosto de 2015

Cerimônia de Iniciação, e Cerimônia em Homenagem aos Pais!

No dia 15 de agosto de 2015, nas dependências da Augusta e Respeitável Loja Simbólica União Constante, o Capítulo Rio Grande realizou a Iniciação de mais 4 jovens, em nossa grande família! Após nossa Cerimônia de Iniciação, nosso irmão Kristen Rover desempenhou o papel de orador na Cerimônia Pública em Homenagem aos Pais, onde emocionou os presentes! Logo após, irmãos e tios contaram relatos pessoais, e expuseram o que era participar da família Capítulo Rio Grande!
Após a Cerimônia Pública, fora realizado um festival de massas, preparado pelo nosso estimado Clube de Mães, Pais e Amigos, contando com a presença dos convidados, DeMolays, tios, tias e Amigos!
Pós Cerimônia Pública, Capítulo unido!
Nossos novos irmãos, com a família DeMolay!
A XXXV Gestão Administrativa dá os parabéns ao nosso Irmão Kristen, pelo grande desempenho, e aos nossos 4 mais novos irmãos, desejando que sua trajetória na Ordem DeMolay seja longa, de grande aprendizagem, boas experiências, e que tragam bons frutos para a sociedade rio-grandina!




domingo, 9 de agosto de 2015

Todo filho é pai da morte de seu pai

"Todo filho é pai da morte de seu pai"
Por Fabrício Carpinejar

"Feliz do filho que é pai de seu pai antes da morte, e triste do filho que aparece somente no enterro e não se despede um pouco por dia."

Há uma quebra na história familiar onde as idades se acumulam e se sobrepõem e a ordem natural não tem sentido: é quando o filho se torna pai de seu pai. É quando o pai envelhece e começa a trotear como se estivesse dentro de uma névoa. Lento, devagar, impreciso. 

É quando aquele pai que segurava com força nossa mão já não tem como se levantar sozinho. 

É quando aquele pai, outrora firme e intransponível, enfraquece de vez e demora o dobro da respiração para sair de seu lugar. 

É quando aquele pai, que antigamente mandava e ordenava, hoje só suspira, só geme, só procura onde é a porta e onde é a janela - tudo é corredor, tudo é longe. 

É quando aquele pai, antes disposto e trabalhador, fracassa ao tirar sua própria roupa e não lembrará de seus remédios. 

E nós, como filhos, não faremos outra coisa senão trocar de papel e aceitar que somos responsáveis por aquela vida. Aquela vida que nos gerou depende de nossa vida para morrer em paz.

Todo filho é pai da morte de seu pai. Ou, quem sabe, a velhice do pai e da mãe seja curiosamente nossa última gravidez. Nosso último ensinamento. Fase para devolver os cuidados que nos foram confiados ao longo de décadas, de retribuir o amor com a amizade da escolta. E assim como mudamos a casa para atender nossos bebês, tapando tomadas e colocando cercadinhos, vamos alterar a rotina dos móveis para criar os nossos pais. Uma das primeiras transformações acontece no banheiro. Seremos pais de nossos pais na hora de pôr uma barra no box do chuveiro. A barra é emblemática. A barra é simbólica. A barra é inaugurar um cotovelo das águas.

Porque o chuveiro, simples e refrescante, agora é um temporal para os pés idosos de nossos protetores. Não podemos abandoná-los em nenhum momento, inventaremos nossos braços nas paredes. A casa de quem cuida dos pais tem braços dos filhos pelas paredes. Nossos braços estarão espalhados, sob a forma de corrimões. Pois envelhecer é andar de mãos dadas com os objetos, envelhecer é subir escada mesmo sem degraus. Seremos estranhos em nossa residência. Observaremos cada detalhe com pavor e desconhecimento, com dúvida e preocupação. Seremos arquitetos, decoradores, engenheiros frustrados. Como não previmos que os pais adoecem e precisariam da gente? Nos arrependeremos dos sofás, das estátuas e do acesso caracol, nos arrependeremos de cada obstáculo e tapete.

E feliz do filho que é pai de seu pai antes da morte, e triste do filho que aparece
somente no enterro e não se despede um pouco por dia. 

Meu amigo José Klein acompanhou o pai até seus derradeiros minutos. No hospital, a enfermeira fazia a manobra da cama para a maca, buscando repor os lençóis, quando Zé gritou de sua cadeira:

— Deixa que eu ajudo.

Reuniu suas forças e pegou pela primeira vez seu pai no colo.
Colocou o rosto de seu pai contra seu peito.
Ajeitou em seus ombros o pai consumido pelo câncer: pequeno, enrugado, frágil, tremendo.
Ficou segurando um bom tempo, um tempo equivalente à sua infância, um tempo equivalente à sua adolescência, um bom tempo, um tempo interminável.
Embalou o pai de um lado para o outro.
Aninhou o pai.
Acalmou o pai.
E apenas dizia, sussurrado:
— Estou aqui, estou aqui, pai!
O que um pai quer apenas ouvir no fim de sua vida é que seu filho está ali.

.

domingo, 2 de agosto de 2015

Aniversário do Capítulo Rio Grande!

1º de Agosto de 1998, na ARLS União Constante. 17 anos atrás, jovens, como nós, instalaram o capítulo que hoje, comemora diversos feitos, e anos de muitos bons frutos...

Hoje o Capítulo completa 17 anos! E durante este tempo diversos DeMolays passaram por suas fileiras, ajudando a edificar o que hoje é o nosso Capítulo. Durante nossa reunião de hoje, que contou com a presença de nossos Tios fundadores Aylton de Jesus Rodrigues e Tio Vanderlei, o Mestre Conselheiro Regional Alexander Carvalho, os DeMolays e Tios da cidade de Canguçu e a presença de outros vários DeMolays e Sêniors DeMolays que compartilharam um pouco de suas histórias dentro do Capítulo.

O Capítulo agradece a presença de todos, lembrando a todos que #DeMolayNãoPara